Chapa CUTista foi a única que preencheu requisitos para eleição

O administrador provisório do Sindicato dos Calçadistas de Jaú, Chicão Monteiro, acatou somente um dos três pedidos de inscrição de chapas para eleição da nova diretoria que ocorrerá nos dias 24 e 25 de setembro. Neste sentido, a chapa denominada “Movimento Calçadista” encabeçada pelo companheiro Miro Jacintho e apoiada pela CUT, foi a única a preencher todos os requisitos estatutários para sua inscrição.

Nesta quarta-feira (2), Monteiro reuniu os encabeçadores das  três chapas protocoladas para explicar os motivos pelos quais duas delas não poderiam ser inscritas. Na reunião, os representantes das chapas irregulares assumiram que  apesar de se ter passado seis dias após o protocolo da chapa, não conseguiram corrigir as irregularidades. “Estamos dispostos a aceitar as correções agora, mesmo que o estatuto não tenha esta previsão”,  intimou Monteiro na reunião”. Nenhuma das chapas irregulares apresentaram novos documentos.

Segundo o Administrador, que foi nomeado pela Justiça do Trabalho,  a chapa encabeçada por “Rogério” (o ex-presidente que deixou o sindicato com uma  dívida de quase 2 milhões de reais, por descumprimento de decisões judiciais  e TAC’s junto ao MPT) apresentou somente 12 membros. O estatuto prevê mínimo de 14 membros. Além dessa irregularidade, Rogério insistiu nos nomes de Dema e Sônia, dois empresários já vetados pela Justiça do Trabalho para ocupar qualquer cargo no sindicato dos trabalhadores.

Já a Chapa encabeçada por “Diego”, apresentou trabalhadores fantasmas cujas empregadoras estão fechadas há anos. Diego também apresentou somente 12 nomes.

Chapa apoiada pela CUT dá show de organização e compromisso com o estatuto do sindicato

A chapa apoiada pela CUT, denominada “Movimento Calçadista”, e encabeçada por Miro Jacintho, além de apresentar toda a documentação que comprova que está de acordo com o estatuto, contém 18 membros, número máximo previsto. “Isso prova o compromisso dessa chapa com a mudança e com  o cumprimento das regras”, apontou Itamar Calado, coordenador da CUT na região.