O reajuste da “cesta” é um direito do trabalhador

Alguns internautas que se dizem trabalhadores, mas creio que são patrões, ou estão a serviço dos patrões, estão criando uma polêmica no mínimo fantasiosa na página oficial do Sindicato no facebook. Eles alegam que haverá desemprego por conta do reajuste da cesta básica. Haja pessimismo!

Embora o número de pessimistas seja bem pequeno, me senti provocado a prestar alguns esclarecimentos: primeiro, vale lembrar que este reajuste na cesta básica nada mais é que a reposição da inflação dos últimos anos, portanto, é direito dos trabalhadores e não podemos abrir mão de nenhum direito. Os patrões já deveriam ter reajustado o valor da “cesta” há muito tempo.

Por falar em valores, vale lembrar que a “cesta” será de R$ 145,00 a partir deste mês. Somente no mês de março de 2016, os trabalhadores receberão R$ 290,00.

Mesmo com o reajuste, a cesta básica (vale alimentação) dos calçadistas de Jaú é uma das menores do sudeste brasileiro. Precisamos desenvolver ações na campanha salarial de 2016, para que ela tenha algum aumento real, pois só assim vamos nos aproximar dos valores conquistados por outras categorias que são representadas por sindicatos de verdade.

Outra questão importante a esclarecer é que “quem pensou que seríamos iguais à antiga direção dos sindicato, errou feio”. Não representamos os patrões. Eles tem o próprio sindicato. Representamos os trabalhadores e se houver demissões não será por conta do reajuste da cesta básica. Todos sabemos que o setor tem seus altos e baixos quando o assunto é empregabilidade e que o país enfrenta uma instabilidade econômica.

Sobre a questão do emprego, estamos nos reunindo com a Confederação Nacional dos Vestuários da CUT, a CNTV, para debater propostas em nível nacional em conjunto com representantes patronais para preservar os postos de trabalho no setor. Este problema não afeta somente a cidade de Jaú.

Acredito que formar uma nova consciência dos trabalhadores calçadistas será a tarefa mais difícil a ser enfrentada pela nova diretoria. A categoria precisa pensar, agir e lutar como trabalhadores e não como patrões. Podemos começar este exercício considerando que o reajuste na cesta básica não foi uma conquista somente do Presidente do Sindicato, mas também de toda a direção da entidade e de cada um(a) que acreditou nela. Esperamos que da próxima vez que convocarmos uma assembleia para debater assuntos de interesse dos calçadistas, que estes façam sua parte e compareçam para dar sua opinião.