Sindicato Calçadista discute ações para o próximo período no 10º Congresso da Fetracovest/CUT

 

A diretoria do Sindicato Calçadista de Jaú participou do 10º Congresso da Fetracovest/CUT, que acontece até hoje (25) , na cidade de Praia Grande, litoral paulista. O presidente Miro Jacintho coordenou a mesa de debate com o tema “Plano de Ação Sindical”.

“Os desafios que os trabalhadores têm pela frente são enormes. Manter a democracia e impedir o retrocesso é o principal deles”, ressalta Miro.

O 10º Congresso da Fetracovest/CUT( Federeção dos Trabalhadores na Indústria Coureira, Calçadista e Vestuarista do Brasil) teve a presença de 80 delegados (as) de 8 estados brasileiros. “É hora de resgatarmos a consciência de classe em cada um de nossos dirigentes e retomar o diálogo com os trabalhadores nas fábricas”, avaliou Cida Trajano, na abertura do  Congresso da Fetracovest/CUT, realizada na terça-feira (23).

CidaGuedeFetracovest
Cida defende o resgate da consciência de classe

De acordo com as resoluções do plenário, o “fora Temer” e as denúncias de ataques aos direitos trabalhistas e programas sociais promovidos pelo governo ilegítimo, será uma das prioridades da Federação e o conjunto de entidades filiadas.

Presente na abertura do Congresso, João Batista, presidente da Federação Solidária dos Sapateiros do Rio Grande do Sul, alertou para a presença dos sindicalistas no local de trabalho. “No dia em que Dilma foi afastada, eu estava numa fábrica na minha região e muitos trabalhadores questionaram sobre o que faríamos para que Dilma voltasse. Muitos têm consciência do que perdem sem Dilma”, apontou.

Outro convidado que compôs a mesa de abertura foi José Mandu, representante da Federação do Ramo Vestuário Norte e Nordeste. Ele falou das dificuldades que o povo nordestino enfrentará sem o governo democrático e popular. “Lula e Dilma foram decisivos para as regiões norte e nordeste do país e tememos que o povo volte a passar fome”, concluiu.

“A CUT é mais necessária do que nunca”

Representando a CUT/SP, a também dirigente do ramo vestuário, Márcia Viana, reafirmou a importância da CUT para o próximo período. “A CUT se tornou mais necessária do que nunca para a classe trabalhadora e o ramo vestuário é muito importante para a nossa Central. Cada sindicato tem responsabilidade de participar e ajudar a CUT em suas regiões a desenvolver a luta contra o golpe, pela democracia e em defesa dos direitos”, pontuou. “É por meio da Central que teremos força para vencer o Golpe”, frisou.

Congresso

Em sua saudação aos delegados(as), o presidente da Fetracovest, José Carlos Guedes,  falou do desafio de promover um congresso numa conjuntura tão complicada. ” Estamos realizando este congresso num momento histórico de nosso País. Estou certo que sairemos daqui mais preparados e articulados para combater o golpe e defender a classe trabalhadora”, destacou.