Temer é um intruso nas Olimpíadas, afirma Dilma

De acordo com ela, muitos brasileiros foram ludibriados pelos meios de comunicação e acabaram apoiando o golpe. Agora, se sentem enganados ao perceber que seus direitos serão suprimidos. A presidenta afirma também confiar na instituições e na Justiça. “Não creio que nenhuma instituição participaria do golpe. Nem o Judiciário, nem o Legislativo, nem as Forças Armadas. O que houve foram membros de todas as instituições que participaram de alguma forma”.

Mobilizações contra o golpe

Dilma se diz, ainda, entusiasmada com as mobilizações da esquerda contra o golpe em andamento. “A esquerda se mobilizou bastante depois da votação na Câmara, houve marchas em 26 cidades. A partir de agora creio que voltarão a fazer. Estamos para começar os Jogos Olímpicos e pode dar uma visibilidade maior aos movimentos.”Em contraposição, ela não acredita que as manifestações pró-impeachment conseguirão mobilizar a população como há alguns meses.

Ódio nas redes

“Vem crescendo as mensagens de intolerância e preconceito contra a liberdade das mulheres e também a homofobia estimulada por setores da oposição e parte dos meios de comunicação. Mas, também, vem crescendo a reação a esse ódio”, analisou Dilma. A presidenta lembrou que o Brasil é um Estado laico onde não é aceitável que se assumam posições religiosas para analisar as leis, como pretendia Cunha quando era presidente da Câmara. Sobre as perseguições promovidas contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Dilma afirma confiar totalmente no líder petista. “Lula é um homem íntegro e correto, que tem sido alvo de uma perseguição. As pesquisas mostram que é um nome forte para as eleições de 2018. Não acredito que Lula será preso. Se for, haverá uma grande comoção no país. O presidente Lula vai saber responder às acusações de forma correta e mostrar seu compromisso com a justiça do país.”