Turismo tem potencial para expansão

Fórum Jauense de Turismo acontece hoje para apontar rumos ao setor turístico

Jaú quer explorar seu potencial turístico que vai além da peregrinação em maio ao Condomínio Frei Galvão. Peregrinos rezam e caminham até o local da missa, onde são distribuídas as pílulas de Frei Galvão, conhecido por milagres.

Para alavancar o setor de turismo, a cidade promove nesta terça-feira (16) o Fórum Jauense de Turismo para articular os setores de hotelaria, transporte, lazer, alimentação e afins para afinar um Plano Municipal de Turismo. O encontro, promovido pelo Conselho Municipal do Turismo (Comtur) será às 8h no Sincomércio de Jahu e Região, na Rua Rolando D’amico, 381 (Vila Assis). Interessados em participar devem confirmar presença até as 11h desta quarta-feira (10/08), na própria secretaria, na Rua Tenente Lopes, 350. Informações pelo telefone (14) 3602-4777.

O Cemitério Municipal de Jahu, denominado “Ana Rosa de Paula”, localizado na avenida Frederico Ozanan número 1339, na Vila Industrial virou um fenômeno turístico em Jaú. O espaço propiciou várias visitas promovendo a Oficina de Arte Cemiterial ministrada pelo historiador e pesquisador Júlio Polli, morto no dia 24 de julho deste ano.

 

cemiterio jau tumulo da noiva.jpg
Túmulo da noiva onde se faz pedidos de casamento 

Conforme os registros existentes na sua Administração, o primeiro sepultamento foi em 16 de outubro de 1892: uma criança de origem espanhola, com nove meses de idade.

O famoso túmulo da “noiva” – estátua em mármore carrara pertencente a família Toledo de Arruda também chama-se “Saudade” e foi encomendada na Europa. Pedidos de casamento são feitos neste túmulo.

Entre as personalidades sepultadas estão: João Ribeiro de Barros (aviador jauense); Canhos (inventor do chuveiro automático); Abílio Cesarino Brandão (ganhador do concurso da urna eleitoral – lona – criada pelo presidente Getúlio Vargas), Laudelino de Abreu (Delegado de Polícia que ocupou a cúpula da Polícia Civil do Estado à época da Revolução de 1932, sendo o responsável em comunicar o fim da guerra e a devolução dos veículos particulares aos proprietários, pois haviam sido confiscados pelos órgãos governamentais).