Jaú não oferece com eficiência saúde e educação, diz pesquisa REM-Folha

Indicador é instrumento para eleitor avaliar administração dos atuais prefeitos em ano de ileição municipal

Na hora de prestar serviços públicos à população quem é mais eficiente entre Jaú, Botucatu, Araraquara e São Carlos? Um estudo da Folha/Datafolha coloca Jaú atrás de Botucatu (leia o quadro abaixo) no Ranking de Eficiência dos Municípios – Folha (REM-Folha).

O REM-Folha acaba de ser divulgado exatamente em  um ano eleitoral para que o eleitor possa avaliar a qualidade da gestão da administração de seu município. O ranking mostra quais prefeituras entregam mais serviços básicos à população usando menor volume de recursos financeiros.

ACESSE O REM-FOLHA

 

remfolhajau

 

O REM-Folha leva em conta indicadores de saúde, educação e saneamento para calcular a eficiência da gestão e apresenta dados de 5.281 municípios, ou 95% do total de 5.569 cidades brasileiras.

Numa escala de 0 a 1, só 24% das cidades ultrapassam 0,50 e, por isso, podem ser consideradas eficientes. O REM-Folha aponta que Jaú tem alguma eficiência – 0,494, portanto menor que 0,50 o que seria eficiente.

Deve-se analisar os dados respeitando as diferenças e características socioeconômicas dos municípios.  Jaú (cerca de 144 mil habitantes) e Botucatu têm uma população menor (até 200 mil habitantes) que Araraquara e São Carlos (mais de 200 mil habitantes). Jaú é um polo produtor de  calçados e cartonagem. Diferente de Araraquara que possui montadora de trens e sucos.

Mesorregião

Um dado importante da pesquisa nacional é que municípios com alguma proximidade de Araraquara, como Jaú, integram a melhor mesorregião do Brasil no critério eficiência.

 

remfolhajau01.png

A explicação da pesquisa é o acúmulo de administrações aplicando os recursos públicos de forma mais eficiente do que as anteriores. Contra a corrupção em licitações e compras da prefeitura, o prefeito Marcelo Barbieri diz ter adotado assinar pessoalmente despesas acima de R$ 5 mil. Reduziu em 70% as horas extras do funcionalismo.

A infraestrutura também é um ponto que impulsiona um município no REM-Folha. A pesquisa destaca que a região de Jaú é servida por uma malha de boas estradas ao contrário das cidades mineiras, que estão lá embaixo no índice.

Indústrias

Indústrias instaladas também influenciam no ranqueamento. Jaú como Polo do Calçado Feminino e parque industrial da cartonagem; Araraquara com Hyundai e Randon, São Carlos com a Volkswagen e Itirapina com a Honda colaboram para o aumento de emprego e a arrecadação de taxas e tributos cobrados pelas prefeituras.

 

Lula-Dilma alavancaram

Segundo análise da pesquisa, o período dos governos Lula, a partir de 2003, até o primeiro governo Dilma colaborou para impulsionar a boa fase econômica, além de políticas locais bem-sucedidas.

“Sem crescimento, não há milagre. Boa parte de nossos investimentos foram realizados até 2012”, ressalta Marcelo Barbieri, prefeito de Araraquara.

Quem é mais eficiente

A pesquisa nacional do Datafolha mostra que só 26% dos brasileiros aprovam a gestão de suas prefeituras.

No topo do ranking está Cachoeira da Prata (MG), com 3.727 habitantes e heranças deixadas pelo passado industrial forte. Na rabeira estão cidades do Norte, Centro-Oeste e o Rio Grande do Sul.

O levantamento revela que nos 5% menos eficientes, com índice de até 0,30, o funcionalismo cresceu 67% entre 2004 e 2014, em média. A população aumentou 12% no período.

Em crise, os municípios espelham também alguns dos principais desafios do País, como o crescimento do gasto público, a dependência de verbas federais, a perda da dinâmica da indústria e a ascensão do agronegócio.