Calçadistas e Sinprafarma panfletam contra retrocesso das medidas de Temer

Panfletagem em Jaú informa população da urgência da mobilização para dia 11

Em um momento de união de esforços pela gravidade da conjuntura, dirigentes do Sindicato dos Calçadistas de Jaú e do Sindicato dos Práticos em Farmácia de Jaú e região, Sinprafarma, panfletaram na manhã de hoje (segunda, 31) um importante informativo elaborada pela Central Única dos Trabalhadores,  CUT, explicando  as ações do governo federal, Congresso e Senado,  que tiram direitos trabalhistas e sociais dos trabalhadores /as.

O grupo de sindicalistas panfletou em diversos pontos do Centro de Jaú dialogando com as pessoas que recebiam o Jornal da Classe Trabalhadora. O dirigente do Sindicato dos Calçadistas, Flávio Coutinho explicou à população a importância do apoio de todos no dia 11 de novembro, Dia Nacional de Greve, convocado pelas Centrais Sindicais. “Falamos da ameaça real de perdas dos direitos trabalhistas e os prejuízos da PEC 241”, definiu Flávio.

Na sexta-feira (28), Dia do Funcionalismo Público, Flávio já havia dialogado com a população enquanto entregava o jornal informativo na tradicional Esquina da Resistência (encontro das ruas Batista de Carvalho com Treze de Maio), no centro de Bauru.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Retrocesso

O Senado recebeu a PEC que prevê, dentre outras medidas, o congelamento dos investimentos em saúde pública pelos próximos 20 anos. A Proposta de Emenda Constitucional já aprovada na Câmara sob o nome de PEC 241, foi rebatizada no Senado para PEC 55/2016 e é de autoria do presidente ilegítimo Michel Temer (PMDB), que atua pessoalmente para que os parlamentares em Brasília aprovem a Proposta a toque de caixa.

Além de nova denominação a proposta – também conhecida como PEC do Fim do Mundo – virou tema de enquete promovida pelo site do Senado. Os limites para os gastos públicos afetam dramaticamente áreas de extrema importância social, como saúde e educação, atingindo em cheio especialmente a população mais pobre, que depende de escola pública e do Sistema Único de Saúde (SUS).

Jornal

Os temas abordados no informativo são:

– PLS 30, que permite a terceirização ilimitada e precariza às condições de trabalho.
– Medida Provisória (MP) 746/2016, que sucateia o ensino público, fechando salas de aula e retirando disciplinas como filosofia, sociologia, artes e educação física.
– PL 4567/16, que prevê apenas 30% de participação da Petrobras na exploração do pré-sal e diminui os investimentos em educação e saúde.
– Proposta de Emenda à Constituição 241 (PEC 241), que congela gastos públicos em áreas vitais para a população, como saúde e educação, por 20 anos. Aprovada na Câmara, essa proposta foi para o Senado e teve o nome mudado para PEC 55.

No Estado de São Paulo, a CUT definiu o dia 31 de outubro, como “dia estadual de panfletagens e esquenta para o Dia Nacional de Greve”. No dia 11 de novembro, as entidades sindicais estarão nos principais locais de trabalho dialogando sobre as consequências da PEC 55/2016, das reformas trabalhista e previdenciária, já anunciadas por Temer e outras medidas prejudiciais aos trabalhadores(as).

Anúncios